programa de afiliados
Acesse a loja virtual
Home / Fórmulas / Formulando Hidratantes Naturais

Formulando Hidratantes Naturais

O uso de formulações cosméticas naturais está cada vez mais difundida, a aromaterapia e a fitoterapia têm ao longo dos anos se desenvolvido e os usos de matérias primas de origem natural têm seus efeitos estudados pela ciência de forma crescente. A formulação de hidratantes cosméticos requer a compreensão de 3 fatores básicos: a conservação e estabilização, a escolha pelo efeito das matérias primas e a base cosmética que será utilizada para veicular os princípios ativos.

Quanto à conservação e estabilização é fundamental observarmos que a simples adição de uma substância com esse efeito sem observar critérios como concentração, compatibilidade com o veículo da formulação e também com as embalagens escolhidas são fundamentais. Existem 4 classes principais de conservantes que devem estar presentes na formulação que são os conservantes antimicrobianos, os antioxidantes, os quelantes e os corretivos de pH.

Formulações ausentes de água não necessitam de quelantes e nem corretores de pH. Muitas pessoas pregam a não necessidade de conservantes alegando o fato de formulações naturais serem completas pela natureza mas isso é um grande erro. Colônias fúngicas podem ter sua prospecção externa aos produtos visível a olho nu porém bactérias e protozoários não.

Em relação às características das matérias primas, todo hidratante de ação ampla e profunda deve conter 3 grupos de agentes: oclusivos, umectantes e emolientes.

Componentes oclusivos

Agentes oclusivos são freqüentemente gordurosos e são mais efetivos quando aplicados na pele levemente umedecida. Formam uma barreira de proteção que impede a perda de água pela pele, estimulam a renovação celular, processos de cicatrização e mantém a integridade imunológica da pele. Devido a essas características, os oclusivos são fundamentais em produtos para peles extremamente ressecadas ou em enfermidades como eczemas e psoríases associados à ativos de ação específica para cada pessoa. Exemplos de componentes oclusivos incluem o petrolatum,  lanolina, cera de abelhas, ceras vegetais, óleo de jojoba, gorduras animais, manteigas vegetais, estearina, óleo mineral e derivados de silicone (dimeticona, ciclometicona).

Componentes umectantes

Vários compostos são adicionados aos hidratantes devido a sua qualidade umectante, atraindo água da derme para epiderme. Muitos compostos umectantes apresentam também propriedades emolientes quando aplicados à pele.

É importante que um agente umectante, quando usado como um componente hidratante, seja combinado com um agente oclusivo, pois a aplicação do umectante isoladamente pode aumentar a perda de água pela pele. Por exemplo, a glicerina tópica (glicerol), quando aplicada isoladamente na pele, aumenta a perda transcutânea de água em 29%.

Dentre os principais umectantes temos as proteínas, glicóis (mel, sorbitol, glicerina, propilenoglicol, dipropilenoglicol), lactatos, derivados de PCA, uréia, pantenol, acrilatos.

Componentes emolientes

Os emolientes são freqüentemente substâncias “oleosas” que incluem uma ampla gama de compostos que vão de ésteres a álcoois de cadeia longa. Embora a emoliência não necessariamente se correlacione com a redução na perda de água pela pele, características emolientes se correlacionam com a satisfação do consumidor e preferência do produto, uma vez que uma textura mais suave da pele é esperada após a aplicação do hidratante.

Dependendo das suas propriedades inerentes, os emolientes podem ser classificados como protetores (manteigas e gorduras animais e vegetais por exemplo), engorduradores (óleos,manteigas e gorduras) ou adstringentes (óleos e ésteres de cadeia carboxílica curta ou média como os óleos láuricos por exemplo).

Indicações de alguns óleos e gorduras quanto ao tipo de pele:

Pele seca Pele normal Pele oleosa
Óleo de amêndoas
Óleo de rícino
Manteiga de cacau
Manteiga de cupuaçu
Óleo de amendoim
Óleo de abacate
Azeite de oliva
Óleo de castanha do Pará
Óleo de maracujá prensado a quente
Óleo de milho
Óleo de gergelim
Óleo de soja
Óleo de apricot
Óleo de jojoba
Óleo de calêndula
Óleo de semente de uva
Óleo de neem
Óleo de maracujá prensado a frio
Óleo de semente de uva
Óleo de girassol
Óleo de avelã
Óleo de noz
Óleo de prímula
Óleo de germe de trigo
Óleo de babaçu, tucumã, côco da Bahia, palmiste e murumuru
Óleo de canola
Óleo de linhaça

 

O terceiro passo que deve ser observado é a escolha da base cosmética que irá veicular as formulações. Por uma questão de síntese, vamos colocar características dos 3 principais grupos de veículos usados em hidratantes.

O primeiro grupo, mais antigo e tradicional é o uso de formulações oleosas que podem nesse grupo entrar as pomadas, manteigas e óleos corporais. São formulações de característica mais oclusiva fornecendo um efeito mais protetor da pele. Veícula de forma eficiente ativos lipossolúveis e de forma média e baixa ativos hidrossolúveis ou solubilizados em etanol.

O segundo grupo é o das emulsões, formado por loções cremosas e cremes, tem ação mais umectante e menos oclusivas que as do grupo anterior. Consegue estimular a absorção de ativos tanto lipossolúveis quanto hidrossolúveis e extratos etanólicos e glicólicos.

O último grupo é dos colóides, formados pelos géis e gomas. Conseguem ter eficiência na veiculação de ativos hidrossolúveis e pouca efetividade em substâncias lipossolúveis. A ação destes acaba sendo apenas superficial na pele por não conseguir ultrapassar a barreira cutânea.  Esse tipo de formulação tem boa ação umectante mas nenhuma ação oclusiva e pouca ação emoliente.

Seguindo essas observações, é possível iniciar o desenvolvimento de produtos cosméticos naturais de forma segura.

 

Elias Abrão Neto

Técnico em Química e Alimentos

Bacharel em Naturopatia e Psicanálise.

Mestre em Ciências da Saúde com ênfase em Fitoterapia.

Professor Honoris Causa pela Logos University Int.

Coordenador do Curso de Bacharelado em Naturopatia da Logos University Int. e ministrante de vários cursos relacionados à Cosmética, Saboaria e Perfumaria Natural

Contato: abraoneto@gmail.com

Um comentário

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

*